HISTÓRICO

Tudo começou no ano jubilar, mais precisamente maio de 2000. Manuel Lopes de Freitas Filho, o Fundador, considerando ter encerrado algumas importantes etapas em sua vida, resolve abandonar-se mais uma vez à vontade de Deus. Buscava saber qual era a nova missão para ele a partir de então. Providencialmente, foi levado à Europa para uma Peregrinação solitária pelos Santuários Marianos. A palavra de envio era: “Vá a terra distantes e lá te falarei.” Este momento de buscas e encontros teve seu coroamento final no Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida.

Neste período Manuel mergulhou profundamente no silêncio e na oração, fruto disso foi o desvelar em seu coração de elementos de um sonho de Deus. Sonho este que pouco a pouco tomava corpo e forma de uma comunidade. Na verdade uma “nova comunidade” fundada sobre os pilares de Santo Agostinho e Santa Rita que seriam os “pais” desta Obra. No Pai Agostinho, carisma da Formação, na Mãe Rita, o carisma da Intercessão e por ambos o Serviço a Deus pelo próximo.

Já no Brasil, procurou o então pastor da Arquidiocese de Belo Horizonte, o Cardeal Dom Serafim Fernandes de Araújo, a quem partilhou todas as suas experiências desta peregrinação, bem como mostrou todos os escritos sobre esta nova Comunidade: Comunidade Católica Verbo Eterno. Dom Serafim, então, exercendo o seu ofício de pastor e guia do rebanho, ratificou toda aquela revelação como de Deus e disse: “Tudo o que está aqui Manuel (nos escritos) , pode ter certeza, não é seu. Isso tudo é de Deus.”

Alegre pela confirmação da Igreja, Manuel fica esperando aqueles que o próprio Senhor enviaria para dar início à sua Obra. Assim, no mesmo ano 2000 foram se aproximando os primeiros membros, que no final de semana da Natividade de Nossa Senhora(8 de setembro de 2000) celebraram o seu primeiro retiro; este retiro verdadeiramente marcou o início da Comunidade, tanto que o 8 de setembro é também a natividade da Comunidade Verbo Eterno. Depois disso, começou-se os primeiros passos para o início das atividades. A primeira casa, pequena, num fundo de quintal em Santa Teresa (Bairro de Belo Horizonte).

Em 2001, os primeiros membros foram se apresentar para o Cardeal Dom Serafim e pedir-lhe que celebrasse a primeira profissão de votos dos membros. Para surpresa de todos, ele não só aceitou o convite, mas também disse que naquele dia daria a aprovação eclesiástica da comunidade.

Juntamente com a CCVE surge a AVE, seu instrumento civil e de ação social.